quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Uma história inusitada

Era um dia normal na Unidade Básica de Saúde do Centro com sala de espera lotada na véspera do feriado de Nossa Senhora Aparecida. Homens, mulheres e crianças com passos rápidos a procura da pediatra, da dentista, dos médicos e enfermeiras da Estratégia de Saúde da Família, dos serviços rotineiros da unidade como verificar a pressão, glicemia, saber o peso e a altura, fazer um curativo e atualizar a caderneta de vacina. 

Eis que, naquela agitação de tantos anseios em uma unidade de saúde, surge um homem franzino, de meia idade, cabelos grisalhos, tranquilo, comunicativo e bem arrumado que debruça no guichê da recepção a procura de sua mulher - Adriana Aparecida Balbino - que, segundo ele, fora consultar na UBS hoje pela manhã. 
A princípio, a recepcionista deduziu que esta mulher pertencia à família Balbino de nosso município e procurou informações com os agentes de saúde e demais profissionais da unidade para saber onde ela se encontrava. Patrícia, a recepcionista, não teve alternativa senão chamar a enfermeira da Estratégia de Saúde da Família para conversar com o senhor que, a esta altura, estava perambulando pela unidade demonstrando alguma desorientação.


Kellen então chamou o senhor para saber mais detalhes de sua esposa e descobriu que o homem, até então desconhecido, não é morador de Pedralva e seu nome é Wagner Luiz dos Santos, residente em São Lourenço, funcionário da Malharia Alzira, sofreu um acidente de bicicleta, mas não lembrava quando e nem as circunstâncias do ocorrido. Com apenas estes dados em mãos, Kellen procurou o telefone da malharia. 
Para sua surpresa, o funcionário da empresa relatou que o Wagner trabalhou durante 18 anos na malharia e estava desaparecido. Gentilmente, ele informou o telefone da esposa do Wagner.

Wagner Luiz dos Santos

Graças a sensibilidade da Kellen, a família do Wagner recebeu a melhor notícia que alguém espera quando procura um ente querido. No mesmo instante, esposa e filhos vieram ao encontro do Wagner que aguardou calmamente na sala de espera sem entender de fato o que ocorria. Enquanto isso, ele contou um pouco de sua história, quem eram seus pais, avós, onde moravam, ou seja, a sua memória antiga continuava intacta, o que nos levou a crer na falta de sua memória recente ocasionada possivelmente pelo acidente com a bicicleta.

Divulgação do desaparecimento

O reencontro com a família foi uma festa emocionante e logo descobrimos um pouco mais desta história inusitada: o Wagner desapareceu no último dia 9 de outubro e o acidente com a bicicleta ocorreu há 3 anos.



Família reunida

Bem que o Sr. Benedito Gonzaga, o Caxeta, desaparecido desde março deste ano, poderia ter a mesma sorte que o Sr. Wagner. Acredito que não existe pior angústia no mundo do que não saber onde um parente ou amigo se encontra. Desejamos a mesma sorte da família Balbino dos Santos para a família do Caxeta.

Caxeta e esposa

6 comentários:

  1. Acredito que outras tantas histórias também poderiam ser contadas, com os devidos consentimentos dos familiares, pois nos deparamos com lindas histórias no nosso cotidiano. Serão exemplos e lições de vida e atitudes de amor ao próximo.

    ResponderExcluir
  2. Que benção para essa família! Parabéns a todos que proporcionaram esse reencontro.

    ResponderExcluir
  3. Que história bacana!!! Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  4. É de profissionais assim que a saúde e a comunidade precisa! Na verdade, precisamos de seres humanos, assim!
    Valorizar o próximo, independente de sua origem ou classe social. Respeitar sua história de vida. É disso que o mundo precisa.
    Independente da profissão, o atendimento se inicia no acolhimento.
    Mais amor por favor!

    ResponderExcluir
  5. Vânia Vergueiro. Enfermeira são José dos campos16 de outubro de 2016 11:51

    Parabéns para a enfermagem e para a recepção desta unidade por saber ouvir o paciente, sendo conhecido ou não.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...